Avançar para o conteúdo principal

O Porquê da Ausência

Em Fevereiro a minha vida mudou radicalmente.  A empresa manteve-se, mas o meu local de trabalho mudou e passei a trabalhar a mais de 100 km de casa. Ponderando o tempo de viagem, os horários imprevisíveis, um carro antigo e as despesas associadas, optei por ficar a viver, durante a semana, na cidade onde atualmente trabalho.
 
Não foi fácil. Sair de casa é o sonho de muitos mas não era, para já, o meu. Estaria a mentir se dissesse que nunca pensei em ter o meu espaço mas queria fazê-lo nos meus termos e quando eu entendesse. Basicamente fui "empurrada" para esta decisão, ainda por cima para uma cidade que não seria, de todo, a minha primeira escolha.
 
Agora saio do trabalho para um quarto silencioso. Não tenho os meus irmãos a parvar pela casa nem as gargalhadas da minha mãe. Agora as minhas tarefas no fim do dia resumem-se a jantar e lavar a minha loiça. Não tenho o meu namorado para me agarrar a mão quando eu mais preciso. Não tenho a miúda para ir levar aos treinos de karaté nem pilhas de roupa para lavar e estender. E é ridículo o quanto sinto a falta de tudo isso.
 
Basicamente, durante a semana não tenho mais nada em que pensar se não nas minhas necessidades. E tendo em conta que levo a maior parte das refeições previamente preparadas e todo a roupa arranjada, não tenho muito que fazer.
 
Primeiro pensei em tirar o melhor partido de uma situação inevitável e utilizar o tempo livre que teria da melhor forma. Iria finalmente voltar a atualizar o blogue diariamente, iria ler todos os livros que desejasse, colocar as minhas séries em dia, aprender italiano e melhorar o meu inglês e espanhol, dedicar-me às minhas aguarelas, concluir o meu curso de fotografia e continuar um projeto que iniciei com a minha mãe à alguns anos.
 
A verdade é que passaram quatro meses e pouco fiz… E não conseguia perceber porquê. Até que encontrei uma antiga colega que me perguntou como estava a correr toda esta mudança. Desde o momento em que respondi "Bem" que senti os olhos a encherem-se de lágrimas e, mais uma vez, não compreendi porquê. Até me permitir refletir sobre o assunto.
 
O trabalho é exigente, mas nada que não se consiga com esforço e dedicação. Os colegas receberam-me de braços abertos e o ambiente de trabalho é bom. Mas a distância e o facto de estar longe de todos aqueles que amo pesa mais do que qualquer outra coisa
 
Sou excelente a adaptar-me a novas situações e melhor ainda a bloquear o que não me agrada mas isso não me permitiu refletir nem perceber todo o impacto que esta mudança estava a ter em mim.
 
Agora que sei, preciso de encontrar a minha determinação para tirar o melhor partido de uma situação que, para já, não irá sofrer alterações.
 

Comentários

  1. Agora que conseguiste o mais complicado - perceber a origem do problema -, acredito que tudo acabará por se compor. Com o ritmo alucinante que a vida nos obriga a viver, nem sempre somos capazes de parar e refletir nessas mudanças.

    Força <3

    ResponderEliminar
  2. Espero que consigas encontrar o equilíbrio no meio de tudo, e pensares mais nas coisas boas que te trouxe, deixando as más para último plano. Que corra tudo bem*

    ResponderEliminar
  3. Nem sempre é fácil, mas por vezes temos de fazer sacrifícios em prol de um futuro melhor :)

    ResponderEliminar
  4. É difícil estar longe das nossas pessoas. Talvez seja por, actualmente, não ter muito tempo livre, mas arranjo sempre o que fazer :P é como dizes, tens que tirar partido da situação :*

    ResponderEliminar

Publicar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Relacionamentos: É Amor ou Comodismo?

"O amor é a base de qualquer relacionamento."
Existem algumas certezas que sempre me acompanharam durante o meu crescimento. 
Uma delas, talvez uma daquelas em que acreditava com mais tenacidade, era que todos os relacionamentos se baseavam em amor.
Depois cresci, não muito confesso. Continuo a manter uma certa ingenuidade e a guardar com carinho muitos dos meus sonhos de menina mas, inevitavelmente, a vida acontece, e o mundo que inicialmente era a preto e branco, começa a ganhar diversos tons de cinza.
E, com muita tristeza minha, apercebi-me que a grande parte dos relacionamentos não tem por base o amor mas sim o comodismo. Quando ficamos por hábito, por não querer admitir que não resultou, por medo do desconhecido ou, simplesmente, porque não temos coragem de abrir o nosso coração ao desconhecido e tentar outra vez.
Existem avisos, sempre, mesmo quando queremos negar ou preferimos não encarar a dura verdade. Quando os gestos de carinho são inexistentes. Quando qualquer moment…

Mais de 1500.

Imagem de Deathtostock
Mais de 1500 publicações, 1507 se quisermos levar a precisão ao extremo. Mais de 1500 opiniões, parvoíces, textos, frases, imagens e idiotices.
Não posso dizer que estou surpreendida pelo número de publicações visto que, quando criei este blogue fi-lo com o objetivo de criar algo duradouro, algo que me acompanhasse, crescesse e evoluísse comigo. O que me surpreende são vocês. Vocês, que começaram a ler e gostaram. Vocês, que despendem de um pouco do vosso dia para apoiar, criticar ou dar a vossa opinião. Vocês, que continuam a voltar dia após dia mesmo quando as actualizações são raras. A todos vocês muito obrigado.

Decisões de Menina Crescida.

Tenho a oportunidade de me envolver numa empresa que me irá dar alguma estabilidade e, a longo prazo, uma carreira profissional sólida. No entanto é necessário realizar um investimento inicial que, neste caso, iria envolver todas as minhas economias. 
A verdade é que tenho algum receio. O que para a maioria das pessoas envolvidas no negócio pode ser um valor insignificante, para mim abrange praticamente a totalidade do capital que tenho disponível e não consigo deixar de me sentir insegura e algo ansiosa. Detesto a sensação de ficar financeiramente desprotegida, ainda que por pouco tempo.
Tenho que tomar uma decisão até dia 25 e espero decidir pelo melhor mas, muito honestamente, não faço a menor ideia do que devo fazer.