Avançar para o conteúdo principal

ROAD TRIP 2016 | Day 2 : Valladolid

Acordámos cedo - como em todos os dias desta viagem, diga-se - arrumámos as poucas coisas que faltavam e descemos para tomar o pequeno-almoço. O último pequeno-almoço na Plaza Mayor... Ainda não tinha ido embora e já estava com vontade de voltar. Digo-vos sinceramente, se o alojamento em Valladolid não estivesse pago, tínhamos ficado mais um dia em Salamanca.

Com as malas no carro e prontos para partir, deixámos para trás uma cidade que nos conquistou a vista e o coração, mas a promessa de novas aventuras numa nova cidade consolaram-nos.

Depois de praticamente 120 km, chegámos a Valladolid e encontrámos o nosso alojamento. Chegámos um pouco antes da hora combinada para check-in mas nem isso diminuiu a simpatia das funcionárias, que apenas nos pediram para aguardar um pouco enquanto terminavam a limpeza. Arrumámos as malas, perguntámos onde existia uma zona de estacionamento livre e, depois de deixarmos o nosso BatMóbil, começamos a nossa peregrinação.

Com a espera do quarto, estacionamento e caminhada até ao centro, chegámos praticamente à hora de almoço. Resolvemos fazer um reconhecimento do território para não perder completamente a manhã, e só depois procurámos um local para almoçar.


"PILAS GRÁTIS PARA SIEMPRE". É praticamente impossível ficar indiferente a um anúncio destes. E sim, eu sei, "pilas" em espanhol, significa "pilhas" mas, ainda assim, não imaginam o que me ri com isto. Afinal, o que é uma viagem sem parvoíces?


Depois de carregar as "pilas" - pausa para admirarem o meu espanhol fluente - continuámos para a Academia de Caballéria. Decidimos não entrar e preferimos passear pelo parque que se encontra mesmo em frente, do outro lado da rua.


Continuámos e, entre o Palácio Real, museus e uma exposição em que acabámos a fazer desenhos para afixar no museu - juro, que não estou a brincar - a tarde passou e encontrámos um pequeno jardim encantado.



O cansaço começa a vencer-nos e optámos pelo mesmo programa de Salamanca: duche e sesta antes de jantar. Digo-vos, é uma combinação vencedora! Há quem diga que assim não se aproveita, eu discordo. Prefiro levantar-me cedo e descansar um pouco durante a tarde, se necessário, do que andar a percorrer cidades em modo zombie.


A fome apertava e a ausência de restaurantes típicos e convidativos na zona fizeram-nos optar pela TelePizza - muito espanhol, eu sei. Para compensar a nossa falha decidimos explorar os bares e cafés das redondezas e acabámos no Once Onzas. Eu, menina bem comportada, pedi um sumo natural com cenoura, laranja, e outras merdas saudáveis, já o Charming, gordalhão de primeira, alambazou-se com um batido de chocolate.




Comentários

Mensagens populares deste blogue

Mais de 1500.

Imagem de Deathtostock
Mais de 1500 publicações, 1507 se quisermos levar a precisão ao extremo. Mais de 1500 opiniões, parvoíces, textos, frases, imagens e idiotices.
Não posso dizer que estou surpreendida pelo número de publicações visto que, quando criei este blogue fi-lo com o objetivo de criar algo duradouro, algo que me acompanhasse, crescesse e evoluísse comigo. O que me surpreende são vocês. Vocês, que começaram a ler e gostaram. Vocês, que despendem de um pouco do vosso dia para apoiar, criticar ou dar a vossa opinião. Vocês, que continuam a voltar dia após dia mesmo quando as actualizações são raras. A todos vocês muito obrigado.

Relacionamentos: É Amor ou Comodismo?

"O amor é a base de qualquer relacionamento."
Existem algumas certezas que sempre me acompanharam durante o meu crescimento. 
Uma delas, talvez uma daquelas em que acreditava com mais tenacidade, era que todos os relacionamentos se baseavam em amor.
Depois cresci, não muito confesso. Continuo a manter uma certa ingenuidade e a guardar com carinho muitos dos meus sonhos de menina mas, inevitavelmente, a vida acontece, e o mundo que inicialmente era a preto e branco, começa a ganhar diversos tons de cinza.
E, com muita tristeza minha, apercebi-me que a grande parte dos relacionamentos não tem por base o amor mas sim o comodismo. Quando ficamos por hábito, por não querer admitir que não resultou, por medo do desconhecido ou, simplesmente, porque não temos coragem de abrir o nosso coração ao desconhecido e tentar outra vez.
Existem avisos, sempre, mesmo quando queremos negar ou preferimos não encarar a dura verdade. Quando os gestos de carinho são inexistentes. Quando qualquer moment…

Decisões de Menina Crescida.

Tenho a oportunidade de me envolver numa empresa que me irá dar alguma estabilidade e, a longo prazo, uma carreira profissional sólida. No entanto é necessário realizar um investimento inicial que, neste caso, iria envolver todas as minhas economias. 
A verdade é que tenho algum receio. O que para a maioria das pessoas envolvidas no negócio pode ser um valor insignificante, para mim abrange praticamente a totalidade do capital que tenho disponível e não consigo deixar de me sentir insegura e algo ansiosa. Detesto a sensação de ficar financeiramente desprotegida, ainda que por pouco tempo.
Tenho que tomar uma decisão até dia 25 e espero decidir pelo melhor mas, muito honestamente, não faço a menor ideia do que devo fazer.