Avançar para o conteúdo principal

Juro que não entendo.

Fico parva quando descubro pessoas que, quase nos seus 25 anos, nunca trabalharam, nem têm pressa de o fazer. A minha incredulidade aumenta ainda mais quando percebo que esse tipo de pessoas mantêm uma casa própria, e suportam todas as despesas adjacentes, possuem carro próprio, passeiam que se fartam e fazem refeições fora dia sim, dia não. E claro, quando alguma alma mais incrédula pergunta como conseguem, aparecem as típicas respostas "Ah, vai-se fazendo...", "Não é nada fácil" e "Tenho de andar sempre a contar tostões, os subsídios e a bolsa não chegam para nada."

Ah, então é isso. Atenção, cada um faz o que quer com o seu dinheiro mas os subsídios e bolsas provêm maioritariamente dos descontos dos contribuintes e se acredito em ajudar quem mais precisa acredito igualmente que é muito bom levantar o rabo da cama para ir trabalhar.

Não é justo. É verdade que de momento não estou a trabalhar - e não, não recebo qualquer subsídio - mas comecei a trabalhar aos 12 anos na loja dos meus avós durante parte das férias escolares. É verdade que foi uma escolha minha mas sabia-me bem ter o meu dinheiro, sabia-me bem ir comprar a senha da cantina com o meu dinheiro, sabia-me bem comprar uma prenda para a minha mãe com o meu dinheiro. Sabia-me bem e fez-me crescer. Talvez por isso tenha começado a trabalhar "a sério" aos 17 anos. Gosto de oferecer presentes, gosto de ter as minhas coisas e gosto de puder ajudar cá em casa mesmo que ninguém mo exija mas o melhor de tudo é saber que posso fazê-lo porque trabalhei, porque aquele dinheiro provêm do meu esforço e trabalho e foi ganho de forma justa. 

Muitos dizem que o problema é do sistema, que existe falta de fiscalização e a troca e cruzamento de informações não é eficaz. Pode até ser mas, para mim, o maior problema é a falta de consciência humana. São as pessoas que escolhem encostar-se ao dinheiro que provém do trabalho alheio em vez de irem trabalhar e, enquanto isso não puder, dificilmente algo mais mudará.

Ahnungslos.

Comentários

  1. Há muitas pessoas assim, e não só jovens, pessoas adultas que preferem viver de subsídios e apoios...mas o que mais me revolta é que esses subsídios e apoios, muitas das vezes, são dados a quem nem precisa assim tanto, mas pronto, isso já são outros quinhentos...

    ResponderEliminar
  2. Realmente não é justo. Eu licenciei-me há um ano e ainda só fiz um estágio profissional mas desde que me licenciei que todos os dias envio currículos para dentro e fora da minha área de formação, para dentro e fora da minha cidade e até do país. Infelizmente ainda não arranjei emprego o que me deixa muito angustiada e desesperada pois quero construir o meu futuro e não consigo por isso não sei como é que essas pessoas estã tão bem e se acomodam nessa situação -.-

    ResponderEliminar
  3. Tendo eu 21 anos e vivendo "as custas" dos meus pais não é algo que goste e que queira prolongar. Aliás mal vejo o tempo de acabar a licenciatura e ir trabalhar. Hoje tenho carro, meu e até em meu nome está (carro + seguro) posso dize-lo que só avancei para isso porque eu os pude pagar, com dinheiro meu que fui juntando, de pequenos trabalhos... . E as minhas contas são sempre "enquanto o deposito for menor do que o passe posso fazer", mal costumo ir jantar/almoçar fora... E sou uma poupadinha do pior!! Afinal o dinheiro que uso não é meu! Logo não o posso esbanjar. Os meus pais pagam-me a faculdade mas faço render cada tostão que lá gastam comigo e faz-me impressão ver pessoas com bolsas ali a arrastar o rabo pela faculdade trabalhando para o minimo!!! Faz-me imensa confusão.
    E acho que pessoas como tu deviam ser a maioria e contra mim falo! ;)

    ResponderEliminar
  4. Aos 25 anos eu já estava cansado. Comecei aos 11, não por escolha minha, mas por necessidade. Estudar teve que ser de noite, depois de um dia de trabalho e nunca recebi um subsídio, ou uma bolsa... no meu tempo não havia disso. Mas não invejo a vida dessa gente. São uns inúteis que nunca souberam quanto custa levantar o cu da cama para ir ganhar o pão do pequeno-almoço. Podem ter muito boa vida, mas não a sabem saborear. É como dar pérolas a porcos... :/

    ResponderEliminar
  5. Há coisas que tb me causa uma certa «espécie».

    ResponderEliminar
  6. Essas pessoas irritam-me! Tinha um colega mais ou menos assim, mas ele vivia à conta dos pais e era uma pessoa super infantil. Não havia paciência

    ResponderEliminar
  7. Eu tenho 20 anos (quase quase 21 :) e nunca trabalhei mas não vejo a hora de o fazer! A questão é que neste momento não consigo meter-me nem sequer num parte time com o tempo que tenho e preferi pô o curso como prioridade!! :)

    ResponderEliminar
  8. r: Pois eu acho que também foi por ai, por ter medo que ele não gostasse que lhe perguntasse, que não o fiz! Lê o comentário que a Andreia Rodrigues fez nesse meu post :) Acho que ela têm razão!! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. temos que ir por fases se não estamos feitas ahahah xD

      Eliminar
  9. Hello,

    Great ! :D

    Sarah, http://sarahmodeee.blogspot.fr/

    ResponderEliminar

Publicar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Relacionamentos: É Amor ou Comodismo?

"O amor é a base de qualquer relacionamento." Existem algumas certezas que sempre me acompanharam durante o meu crescimento.  Uma delas, talvez uma daquelas em que acreditava com mais tenacidade, era que todos os relacionamentos se baseavam em amor. Depois cresci, não muito confesso. Continuo a manter uma certa ingenuidade e a guardar com carinho muitos dos meus sonhos de menina mas, inevitavelmente, a vida acontece, e o mundo que inicialmente era a preto e branco, começa a ganhar diversos tons de cinza. E, com muita tristeza minha, apercebi-me que a grande parte dos relacionamentos não tem por base o amor mas sim o comodismo. Quando ficamos por hábito, por não querer admitir que não resultou, por medo do desconhecido ou, simplesmente, porque não temos coragem de abrir o nosso coração ao desconhecido e tentar outra vez. Existem avisos, sempre, mesmo quando queremos negar ou preferimos não encarar a dura verdade.  Quando os gestos de carinho são inexistentes. Quando qualquer m

Mais de 1500.

Imagem de Deathtostock Mais de 1500 publicações, 1507 se quisermos levar a precisão ao extremo. Mais de 1500 opiniões, parvoíces, textos, frases, imagens e idiotices. Não posso dizer que estou surpreendida pelo número de publicações visto que, quando criei este blogue fi-lo com o objetivo de criar algo duradouro, algo que me acompanhasse, crescesse e evoluísse comigo. O que me surpreende são vocês. Vocês, que começaram a ler e gostaram. Vocês, que despendem de um pouco do vosso dia para apoiar, criticar ou dar a vossa opinião. Vocês, que continuam a voltar dia após dia mesmo quando as actualizações são raras. A todos vocês muito obrigado.

Decisões de Menina Crescida.

Tenho a oportunidade de me envolver numa empresa que me irá dar alguma estabilidade e, a longo prazo, uma carreira profissional sólida. No entanto é necessário realizar um investimento inicial que, neste caso, iria envolver todas as minhas economias.  A verdade é que tenho algum receio. O que para a maioria das pessoas envolvidas no negócio pode ser um valor insignificante, para mim abrange praticamente a totalidade do capital que tenho disponível e não consigo deixar de me sentir insegura e algo ansiosa. Detesto a sensação de ficar financeiramente desprotegida, ainda que por pouco tempo. Tenho que tomar uma decisão até dia 25 e espero decidir pelo melhor mas, muito honestamente, não faço a menor ideia do que devo fazer.