Avançar para o conteúdo principal

Os meus, os teus e os nossos.

Uma relação amorosa é mais do que a união entre dois seres, é o entrelaçar de duas vidas, com tudo o que isso implica. Uma das situações potencialmente problemáticas são os amigos, como dividir o tempo entre todos sem prejudicar ninguém mas, acima de tudo sem prejudicar a relação.

Tenho amigos maravilhosos e não me canso de o repetir. Nunca em tempo algum os meus amigos tiveram uma palavra menos agradável para o meu namorado, muito pelo contrário, incluem-no nas conversas e brincadeiras e, no início da nossa relação, qualquer convite que me fosse feito era sempre estendido ele. Claro que hoje ele é uma parte integrante do grupo pelo que não é necessário qualquer convite mas no início sabia bem ter a certeza que estavam dispostos a gostar de alguém que nem conheciam simplesmente por ser a pessoa que eu amo e não poderia pedir mais que isso.

Se os meus amigos se tornaram nossos, os dele continuam a ser dele. Não é por falta de tentativas mas não temos muito em comum e, ou faço conversa de circunstância e tento de minha iniciativa participar em conversas nas quais nem sequer se dão ao trabalho de me incluir ou sou ignorada. Não me importo de beber um café com eles de vez em quando mas períodos de convívio mais longos são algo complicado,especialmente se envolverem jantares ou outras festividades visto que os excessos alcoólicos são uma constante.

Não é fácil de gerir mas quando existe boa vontade de ambas as partes do casal e dos amigos de cada um tudo se torna bem mais fácil e agradável. Se esse bom senso for inexistente nas partes exteriores ao casal a questão já exige mais diplomacia e gestão estratégica mas continua a ser controlável. Afinal, uns cafés aqui e ali nunca mataram ninguém.

Comentários

  1. A minha situação é como a tua: os meus amigos acolheram bem o meu namorado e agora são já amigos dele agora os amigos dele esquece... Eu já tentei n e n vezes mas eles não se esforçam minimamente, fazem-me sentir de parte, às vezes chego a falar para participar nas conversas e eles ignoram fingindo que nem me ouvem (mesmo que eu repita o mesmo 3 vezes para garantir que ouvem!). Enfim, é triste

    ResponderEliminar
  2. r: Obrigada :) O que passei fez-me crescer :)

    ResponderEliminar
  3. De facto, o que é preciso é bom senso!

    ResponderEliminar
  4. Nós não temos amigos em comum com muita pena minha, mas consigo ter tempo para estar com os meus e ele com os dele :)

    ResponderEliminar
  5. Não é nada fácil ter que conviver com alguém com quem não nos identificamos...


    Isabel Sá
    https://brilhos-da-moda.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  6. Concordo totalmente.
    R: Felizmente compensa. Mas o meu maior problema são os chocolates, sem qualquer dúvida.

    http://istoeoinefavel.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  7. Concordo com o teu texto, apesar de estarmos numa relação não quer dizer que tenhas de deixar amigos de parte podemos sair com eles e afins não faz mal a ninguém também há que ter aquele espaço nosso.
    http://retromaggie.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  8. Concordo absolutamente contigo :)
    Boa semana, beijinho meu :*

    ResponderEliminar
  9. Nunca tinha lido nada no teu blog. Encontrei-o por acaso. E dei de caras com este post. Podia ser eu! Esta situação afecta-me um bocado, porque parece mesmo ser má vontade dos amigos dele. A situação piorou quando os amigos dele (após 2 anos a conhecer-me) conheceram a irmã dele e ficaram logo todos amigos. Passam por mim na rua e viram a cara. Tal como tu, ignoram-me se eu falar. Já me afetou mais, é verdade, mas não deixa de ser triste existirem pessoas assim no mundo... :( Obrigada pela partilha. Não é que fique feliz pela tua situação (porque sei que custa) mas é bom saber que não estou sozinha e há alguém que pode entender os meus sentimentos. Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não é, de todo, uma situação agradável mas pelo menos sabes que não estás sozinha. Também já não me afecta tanto, é apenas algo que torna o convívio uma espécie de obrigação quando poderia ser algo agradável. Enfim, eles é que perdem! Não desanimes querida.

      Eliminar

Publicar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Relacionamentos: É Amor ou Comodismo?

"O amor é a base de qualquer relacionamento."
Existem algumas certezas que sempre me acompanharam durante o meu crescimento. 
Uma delas, talvez uma daquelas em que acreditava com mais tenacidade, era que todos os relacionamentos se baseavam em amor.
Depois cresci, não muito confesso. Continuo a manter uma certa ingenuidade e a guardar com carinho muitos dos meus sonhos de menina mas, inevitavelmente, a vida acontece, e o mundo que inicialmente era a preto e branco, começa a ganhar diversos tons de cinza.
E, com muita tristeza minha, apercebi-me que a grande parte dos relacionamentos não tem por base o amor mas sim o comodismo. Quando ficamos por hábito, por não querer admitir que não resultou, por medo do desconhecido ou, simplesmente, porque não temos coragem de abrir o nosso coração ao desconhecido e tentar outra vez.
Existem avisos, sempre, mesmo quando queremos negar ou preferimos não encarar a dura verdade. Quando os gestos de carinho são inexistentes. Quando qualquer moment…

Mais de 1500.

Imagem de Deathtostock
Mais de 1500 publicações, 1507 se quisermos levar a precisão ao extremo. Mais de 1500 opiniões, parvoíces, textos, frases, imagens e idiotices.
Não posso dizer que estou surpreendida pelo número de publicações visto que, quando criei este blogue fi-lo com o objetivo de criar algo duradouro, algo que me acompanhasse, crescesse e evoluísse comigo. O que me surpreende são vocês. Vocês, que começaram a ler e gostaram. Vocês, que despendem de um pouco do vosso dia para apoiar, criticar ou dar a vossa opinião. Vocês, que continuam a voltar dia após dia mesmo quando as actualizações são raras. A todos vocês muito obrigado.

Decisões de Menina Crescida.

Tenho a oportunidade de me envolver numa empresa que me irá dar alguma estabilidade e, a longo prazo, uma carreira profissional sólida. No entanto é necessário realizar um investimento inicial que, neste caso, iria envolver todas as minhas economias. 
A verdade é que tenho algum receio. O que para a maioria das pessoas envolvidas no negócio pode ser um valor insignificante, para mim abrange praticamente a totalidade do capital que tenho disponível e não consigo deixar de me sentir insegura e algo ansiosa. Detesto a sensação de ficar financeiramente desprotegida, ainda que por pouco tempo.
Tenho que tomar uma decisão até dia 25 e espero decidir pelo melhor mas, muito honestamente, não faço a menor ideia do que devo fazer.