Avançar para o conteúdo principal

Confessem lá...

Xxxx

... qual era o objecto que mais vos acompanhou durante a vossa infância?

Comentários

  1. ainda durmo com a minha coelhinha de peluche ahah

    ResponderEliminar
  2. Sinceramente acho que não ouve nenhum em especial, nunca fui muito de me agarrar a objectos, peluches e afins :p

    ResponderEliminar
  3. Eu andava sempre com um urso de pelúcia atrás...

    http://redlipsmeg.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  4. barbies ou CDs... é dificil de dizer entre um e outro =P

    xoxo

    ResponderEliminar
  5. O meu bloco de desenhar :)


    *Beijinhos*
    Caty<3
    http://myfairytale4.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  6. Uma chucha! Até para aí os 10 anos (acho que nunca tinha confessado a ninguém =O)


    Beijinho*

    ResponderEliminar
  7. Sinceramente, não sei. Acho que não tive nenhum assim especial.
    kiss na cheek

    ResponderEliminar
  8. é um peluche grande que eu tinha no meu quarto, gosto muito dele, E ainda o tenho :)

    ResponderEliminar
  9. r. que sorte, aqui choveu o fim de semana todo :s

    ResponderEliminar
  10. Uma boneca linda, parecia mesmo verdadeira :)

    ResponderEliminar
  11. Provavelmente barbies!

    R: Não agarrou a tinta :(

    ResponderEliminar
  12. Um peluche que ainda tenho guardado no sótão :)

    http://ummarderecordacoes.blogs.sapo.pt/

    ResponderEliminar
  13. Para dizer a verdade não tive nenhum em especial.

    Isabel Sá
    https://brilhos-da-moda.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  14. Tinha um coelho rosa gigante. E dois bebés com fato rosa que dormiam comigo (um de cada lado eheh)

    ResponderEliminar

Publicar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Relacionamentos: É Amor ou Comodismo?

"O amor é a base de qualquer relacionamento."
Existem algumas certezas que sempre me acompanharam durante o meu crescimento. 
Uma delas, talvez uma daquelas em que acreditava com mais tenacidade, era que todos os relacionamentos se baseavam em amor.
Depois cresci, não muito confesso. Continuo a manter uma certa ingenuidade e a guardar com carinho muitos dos meus sonhos de menina mas, inevitavelmente, a vida acontece, e o mundo que inicialmente era a preto e branco, começa a ganhar diversos tons de cinza.
E, com muita tristeza minha, apercebi-me que a grande parte dos relacionamentos não tem por base o amor mas sim o comodismo. Quando ficamos por hábito, por não querer admitir que não resultou, por medo do desconhecido ou, simplesmente, porque não temos coragem de abrir o nosso coração ao desconhecido e tentar outra vez.
Existem avisos, sempre, mesmo quando queremos negar ou preferimos não encarar a dura verdade. Quando os gestos de carinho são inexistentes. Quando qualquer moment…

Mais de 1500.

Imagem de Deathtostock
Mais de 1500 publicações, 1507 se quisermos levar a precisão ao extremo. Mais de 1500 opiniões, parvoíces, textos, frases, imagens e idiotices.
Não posso dizer que estou surpreendida pelo número de publicações visto que, quando criei este blogue fi-lo com o objetivo de criar algo duradouro, algo que me acompanhasse, crescesse e evoluísse comigo. O que me surpreende são vocês. Vocês, que começaram a ler e gostaram. Vocês, que despendem de um pouco do vosso dia para apoiar, criticar ou dar a vossa opinião. Vocês, que continuam a voltar dia após dia mesmo quando as actualizações são raras. A todos vocês muito obrigado.

Decisões de Menina Crescida.

Tenho a oportunidade de me envolver numa empresa que me irá dar alguma estabilidade e, a longo prazo, uma carreira profissional sólida. No entanto é necessário realizar um investimento inicial que, neste caso, iria envolver todas as minhas economias. 
A verdade é que tenho algum receio. O que para a maioria das pessoas envolvidas no negócio pode ser um valor insignificante, para mim abrange praticamente a totalidade do capital que tenho disponível e não consigo deixar de me sentir insegura e algo ansiosa. Detesto a sensação de ficar financeiramente desprotegida, ainda que por pouco tempo.
Tenho que tomar uma decisão até dia 25 e espero decidir pelo melhor mas, muito honestamente, não faço a menor ideia do que devo fazer.