Avançar para o conteúdo principal

Uma questão de medidas.

A ilustradora Loryn Brantz editou seis imagens com o propósito de evidenciar as diferenças entre as proporções físicas das princesas Disney e as de uma mulher real. Todos conhecemos as figuras estilizadas das princesas Disney - e giras que são - mas confesso que nunca tinha dado grande atenção a medidas e proporções mas, tal como Loryn refere, é assustador que em alguns casos os pescoços das princesas sejam quase tão largos quanto as suas cinturas.

Não sou de intrigas mas acho que é altura de colocar um bocadinho de carne nestes ossinhos. As princesas são adoráveis mas preocupa-me as ideias que podem instalar na cabeça de meninas mais jovens.

A princesa Ariel, do filme A Pequena Sereia, foi uma das escolhidas por Brantz para mostrar o desfasamento das proporções.
Ariel

A princesa Ariel, do filme A Pequena Sereia, foi uma das escolhidas por Brantz para mostrar o desfasamento das proporções.
Aurora

A princesa Ariel, do filme A Pequena Sereia, foi uma das escolhidas por Brantz para mostrar o desfasamento das proporções.
Bela

A princesa Ariel, do filme A Pequena Sereia, foi uma das escolhidas por Brantz para mostrar o desfasamento das proporções.
Elsa

A princesa Ariel, do filme A Pequena Sereia, foi uma das escolhidas por Brantz para mostrar o desfasamento das proporções.
Jasmine

A princesa Ariel, do filme A Pequena Sereia, foi uma das escolhidas por Brantz para mostrar o desfasamento das proporções.
Pocahontas

Comentários

  1. Por acaso nunca tinha reparado nisso...

    ResponderEliminar
  2. Nunca reparei nisto :o acho que a que se nota menos é mesmo na pocahontas xb

    ResponderEliminar
  3. Lindas na mesma! Esta na hora de mudar isto na minha opiniao, caso contrario,cada vez mais existirao casos de anorexia, bulimia etc.

    ResponderEliminar
  4. Gosto mais da versão realista na grande maioria delas :)

    ResponderEliminar
  5. Olha que giro :) gosto das duas maneiras!

    ResponderEliminar
  6. Honestamente? Acho que ficam melhor com cintura ''com carne''. Eu acho.

    ResponderEliminar
  7. Já tinha visto isto e por acaso pensei o mesmo que tu :)

    ResponderEliminar
  8. Olha que realmente também nunca tinha reparado... :o
    Mas a verdade é que se só olharmos para as imagens da direita parecem muito bem... Se tivesses colocado apenas as da direita nem tinha reparado...

    ResponderEliminar
  9. Também vi este artigo. Algumas há que admitir que ficam estranhas, mas outras até ficam mais normais.

    ResponderEliminar
  10. já com a boneca barbie é a mesma coisa!
    beijinhos

    ResponderEliminar
  11. Realmente nunca tinha pensado nas imagens por essa perspectiva! A verdade é que quando era criança raramente ligava ao tamanho da cintura. Espero que as crianças de hoje em dia também sejam assim e tenham noção que se têm de divertir e viver a infância.

    Beijinhos,
    http://mrswonderlandby2.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  12. Realmente já tinha notado que elas eram assim um bocado esqueléticas... mas que diferença!!

    ResponderEliminar
  13. Ainda não tinha pensado nisso, dos pescoços serem mais largos do que as cinturas e é mesmo verdade. Gostei do trabalho. Muito bom.

    ResponderEliminar
  14. ok, acho que acabamos de descobrir que os modelos irreais de beleza ultrapassam em muito o photoshop... tendo em conta que alguns desses desenhos têm mais anos que os computadores!!!

    xoxo

    ResponderEliminar
  15. Por acaso nunca foi algo em que reparasse, mas acho que sim, acho que faz todo o sentido defender que os corpos não precisam de ser perfeitos para se ser «princesa» :)

    ResponderEliminar
  16. Estão SUBERBAS!!!

    A culpa É do Walt Disney... Quem o disse foi uma actriz americana qualquer, num programa sobre a cirurgia estética... E tinha razão. Além da aparência existe toda a fantasia romântica e a busca do principe encantado e do castelo. LOL. O Walt fez muito mal às cabecinhas das crianças.

    ResponderEliminar

Publicar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Relacionamentos: É Amor ou Comodismo?

"O amor é a base de qualquer relacionamento."
Existem algumas certezas que sempre me acompanharam durante o meu crescimento. 
Uma delas, talvez uma daquelas em que acreditava com mais tenacidade, era que todos os relacionamentos se baseavam em amor.
Depois cresci, não muito confesso. Continuo a manter uma certa ingenuidade e a guardar com carinho muitos dos meus sonhos de menina mas, inevitavelmente, a vida acontece, e o mundo que inicialmente era a preto e branco, começa a ganhar diversos tons de cinza.
E, com muita tristeza minha, apercebi-me que a grande parte dos relacionamentos não tem por base o amor mas sim o comodismo. Quando ficamos por hábito, por não querer admitir que não resultou, por medo do desconhecido ou, simplesmente, porque não temos coragem de abrir o nosso coração ao desconhecido e tentar outra vez.
Existem avisos, sempre, mesmo quando queremos negar ou preferimos não encarar a dura verdade. Quando os gestos de carinho são inexistentes. Quando qualquer moment…

Mais de 1500.

Imagem de Deathtostock
Mais de 1500 publicações, 1507 se quisermos levar a precisão ao extremo. Mais de 1500 opiniões, parvoíces, textos, frases, imagens e idiotices.
Não posso dizer que estou surpreendida pelo número de publicações visto que, quando criei este blogue fi-lo com o objetivo de criar algo duradouro, algo que me acompanhasse, crescesse e evoluísse comigo. O que me surpreende são vocês. Vocês, que começaram a ler e gostaram. Vocês, que despendem de um pouco do vosso dia para apoiar, criticar ou dar a vossa opinião. Vocês, que continuam a voltar dia após dia mesmo quando as actualizações são raras. A todos vocês muito obrigado.

Decisões de Menina Crescida.

Tenho a oportunidade de me envolver numa empresa que me irá dar alguma estabilidade e, a longo prazo, uma carreira profissional sólida. No entanto é necessário realizar um investimento inicial que, neste caso, iria envolver todas as minhas economias. 
A verdade é que tenho algum receio. O que para a maioria das pessoas envolvidas no negócio pode ser um valor insignificante, para mim abrange praticamente a totalidade do capital que tenho disponível e não consigo deixar de me sentir insegura e algo ansiosa. Detesto a sensação de ficar financeiramente desprotegida, ainda que por pouco tempo.
Tenho que tomar uma decisão até dia 25 e espero decidir pelo melhor mas, muito honestamente, não faço a menor ideia do que devo fazer.