Avançar para o conteúdo principal

Mundial 2014: Portugal - Alemanha.

Tal como prometido às 17 horas lá estava eu bem refastelada no sofá à frente da televisão. Eu não falhei. Mas eles falharam. Não há muito a dizer. Todos viram o que se passou e esta seleção está longe - muito, muito longe - de se aproximar da fantástica seleção com que o Scolari nos presenteou em 2004 mas ainda acredito que com trabalho - muito! -, táctica, dedicação e espírito de equipa seja possível tornarem-se melhores. Tem de ser.

Acredito, mas tive momentos em que me apeteceu esbofeteá-los até à exaustão e, como nestas alturas todos somos excelentes treinadores de bancada e eu não só menos que ninguém, cá vai. 

Primeiro para o Coentrão. Oh amor, então tu és árbitro ou jogador? Não te compete ver se é fora de jogo ou não criatura! Compete-te dar um pontapé - cabeçada, peitada, cuzada, o que quiseres - no raio da bola e enfiá-la na baliza - do adversário de preferência - pode ser querido? E, se por acaso, for mesmo fora de jogo fazes o teu melhor para passar despercebido, rezas aos teus santinhos todos e prometes ir a pé a Fátima se ninguém se aperceber combinado?

Já a expulsão de Pepe - o momento mais mediático do jogo - era desnecessária. Concordo que não é um exemplo positivo para ninguém, que era uma atitude completamente desnecessária e que devido a um acto irracional acabou por prejudicar não só os colegas mas também o país que representa. No entanto, depois de eu própria me ter acalmado, reconheci que o Pepe não devia ter sido expulso. O Pepe devia ter sido nomeado para o Prémio Nobel da Medicina. Viram a rapidez com que o Muller se levantou?! Primeiro o pobre coitado esta meio desfalecido no chão e completamente chorão - nada macho Muller, nada macho - e depois, BAZINGA!, levanta-se que nem um tubarão branco esfomeado pronta a atacar uma foca suculenta e rechonchuda! Sou uma pessoa normalmente pacífica e não concordo com demonstrações de violência gratuita mas confesso que se estivesse no lugar do Pepe, ainda por cima depois de expulso, tinha agarrado no Muller e dava-lhe uma bela de uma esfrega para saber do que se estava a queixar. Já que estamos em maré de confissões posso admitir que também que quando o marcador passou a 3-0 o meu lado mais infantil, irracional e precipitado torceu para que os nossos meninos tirassem as camisolas - esta parte era importante - e lhes dessem uma valente esfrega à boa maneira portuguesa. Assim como assim estava perdido, pelo menos faziam jeito à mão e animavam a coisa.

Pessoalmente tinha escolhido para título do vídeo "Incha porco Muller!" mas isso sou só eu.

Comentários

  1. O Pepe não agrediu o Muller mas não devia ter feito o que fez... Só deu motivos ao árbitro para o tirar do jogo, foi mesmo desnecessário. Este jogo não podia ter sido pior! Houve muito azar para nós, com os jogadores lesionados, houve influência do árbitro pois um penalty ficou por marcar e outro foi forçado e houve pouco empenho dos jogadores portugueses. sinceramente eles só não nos golearam mais porque o treinador deles quis "poupar" os jogadores porque eles tinham condições para isso! :\

    ResponderEliminar
  2. Nunca deixo de apoiar a selecção e sou daquelas que acredita sempre até à ultima, mas ontem não podia ter sido pior. Acho que não perdemos por mais apenas por sorte.

    ResponderEliminar
  3. R: Acho o mesmo. Agora temos de nos recompor para os próximos dois jogos.

    ResponderEliminar
  4. Tenho que discordar, o que o Pepe fez foi vergonhoso para o país! As pessoas que representam a nação têm que se saber comportar como gente! E a vitória da Alemanha foi muito justa, nós não estivémos nada bem!


    *Beijinhos*
    Caty<3
    http://myfairytale4.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  5. Adorei a tua visão do jogo e posso pedir-te uma coisa? Depois posso passar a explicar quando me responderes mas adorava saber a tua opinião: o João Pereira faz penalti sob o alemão ou não? Aquilo é, para ti, um penalti?

    ResponderEliminar

Publicar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Relacionamentos: É Amor ou Comodismo?

"O amor é a base de qualquer relacionamento."
Existem algumas certezas que sempre me acompanharam durante o meu crescimento. 
Uma delas, talvez uma daquelas em que acreditava com mais tenacidade, era que todos os relacionamentos se baseavam em amor.
Depois cresci, não muito confesso. Continuo a manter uma certa ingenuidade e a guardar com carinho muitos dos meus sonhos de menina mas, inevitavelmente, a vida acontece, e o mundo que inicialmente era a preto e branco, começa a ganhar diversos tons de cinza.
E, com muita tristeza minha, apercebi-me que a grande parte dos relacionamentos não tem por base o amor mas sim o comodismo. Quando ficamos por hábito, por não querer admitir que não resultou, por medo do desconhecido ou, simplesmente, porque não temos coragem de abrir o nosso coração ao desconhecido e tentar outra vez.
Existem avisos, sempre, mesmo quando queremos negar ou preferimos não encarar a dura verdade. Quando os gestos de carinho são inexistentes. Quando qualquer moment…

Mais de 1500.

Imagem de Deathtostock
Mais de 1500 publicações, 1507 se quisermos levar a precisão ao extremo. Mais de 1500 opiniões, parvoíces, textos, frases, imagens e idiotices.
Não posso dizer que estou surpreendida pelo número de publicações visto que, quando criei este blogue fi-lo com o objetivo de criar algo duradouro, algo que me acompanhasse, crescesse e evoluísse comigo. O que me surpreende são vocês. Vocês, que começaram a ler e gostaram. Vocês, que despendem de um pouco do vosso dia para apoiar, criticar ou dar a vossa opinião. Vocês, que continuam a voltar dia após dia mesmo quando as actualizações são raras. A todos vocês muito obrigado.

Decisões de Menina Crescida.

Tenho a oportunidade de me envolver numa empresa que me irá dar alguma estabilidade e, a longo prazo, uma carreira profissional sólida. No entanto é necessário realizar um investimento inicial que, neste caso, iria envolver todas as minhas economias. 
A verdade é que tenho algum receio. O que para a maioria das pessoas envolvidas no negócio pode ser um valor insignificante, para mim abrange praticamente a totalidade do capital que tenho disponível e não consigo deixar de me sentir insegura e algo ansiosa. Detesto a sensação de ficar financeiramente desprotegida, ainda que por pouco tempo.
Tenho que tomar uma decisão até dia 25 e espero decidir pelo melhor mas, muito honestamente, não faço a menor ideia do que devo fazer.