Avançar para o conteúdo principal

Violar Mulheres É "Dever Nacional"

Black and white shot of attractive blonde woman standing, looking at wall in sunglasses with window
Créditos: Alex Ronsdorf          Fonte: unsplash.com

De entre todas as parvoíces e idiotices que já disse neste blog, este título é, sem sombra de dúvida, o mais estúpido de todos. Estúpido, ridículo, ignorante e, acima de tudo, extremamente assustador.

Nabih al-Wahsh é conhecido por ser conservador mas, na minha opinião, é simplesmente idiota e ignorante. Desta vez, este ilustre advogado, participou num debate sobre prostituição e, num programa televisivo, afirmou que é "dever nacional" violar mulheres provocadoras.

Na sua infinita sabedoria, Nabih al-Wahsh informou-nos que o facto de usar umas simples calças rasgadas é motivo mais que suficiente para as mulheres que as usam serem assediadas. E, como toda a boa estupidez é infinita, continuou, afirmando que esse assédio é um "dever patriótico".

A indignação que se espalhou pelo Egipto e se alastrou ao resto do Mundo, fez com que o advogado fosse condenado a três anos de prisão e ao pagamento de uma multa no valor de 950 euros.

Os meus parabéns às autoridades que não deixaram este crime passar impune. Se é suficiente? Não! Está longe de ser suficiente. Mas é alguma coisa. E são sempre as pequenas coisas que desencadeiam as grandes mudanças.

E, por favor, nunca, em caso algum, pensem como esta criatura e sensibilizem o máximo de pessoas possível. Não interessa se é um homem ou mulher, todos os seres humanos merecem respeito.

Podem consultar a notícia completa em Notícias ao Minuto.

Comentários

Publicar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Relacionamentos: É Amor ou Comodismo?

"O amor é a base de qualquer relacionamento."
Existem algumas certezas que sempre me acompanharam durante o meu crescimento. 
Uma delas, talvez uma daquelas em que acreditava com mais tenacidade, era que todos os relacionamentos se baseavam em amor.
Depois cresci, não muito confesso. Continuo a manter uma certa ingenuidade e a guardar com carinho muitos dos meus sonhos de menina mas, inevitavelmente, a vida acontece, e o mundo que inicialmente era a preto e branco, começa a ganhar diversos tons de cinza.
E, com muita tristeza minha, apercebi-me que a grande parte dos relacionamentos não tem por base o amor mas sim o comodismo. Quando ficamos por hábito, por não querer admitir que não resultou, por medo do desconhecido ou, simplesmente, porque não temos coragem de abrir o nosso coração ao desconhecido e tentar outra vez.
Existem avisos, sempre, mesmo quando queremos negar ou preferimos não encarar a dura verdade. Quando os gestos de carinho são inexistentes. Quando qualquer moment…

Mais de 1500.

Imagem de Deathtostock
Mais de 1500 publicações, 1507 se quisermos levar a precisão ao extremo. Mais de 1500 opiniões, parvoíces, textos, frases, imagens e idiotices.
Não posso dizer que estou surpreendida pelo número de publicações visto que, quando criei este blogue fi-lo com o objetivo de criar algo duradouro, algo que me acompanhasse, crescesse e evoluísse comigo. O que me surpreende são vocês. Vocês, que começaram a ler e gostaram. Vocês, que despendem de um pouco do vosso dia para apoiar, criticar ou dar a vossa opinião. Vocês, que continuam a voltar dia após dia mesmo quando as actualizações são raras. A todos vocês muito obrigado.

Decisões de Menina Crescida.

Tenho a oportunidade de me envolver numa empresa que me irá dar alguma estabilidade e, a longo prazo, uma carreira profissional sólida. No entanto é necessário realizar um investimento inicial que, neste caso, iria envolver todas as minhas economias. 
A verdade é que tenho algum receio. O que para a maioria das pessoas envolvidas no negócio pode ser um valor insignificante, para mim abrange praticamente a totalidade do capital que tenho disponível e não consigo deixar de me sentir insegura e algo ansiosa. Detesto a sensação de ficar financeiramente desprotegida, ainda que por pouco tempo.
Tenho que tomar uma decisão até dia 25 e espero decidir pelo melhor mas, muito honestamente, não faço a menor ideia do que devo fazer.