Avançar para o conteúdo principal

A Minha Definição De Família.

"Então, Ana!? Como é que não te lembras da tia Augusta?"

Basicamente porque nunca vi a porra da tia Augusta! Porque passaram-se Natais, aniversários, férias escolares, momentos felizes, momentos tristes, gargalhadas que fazem doer a barriga e ataques de choro que fazem doer a cabeça e nunca, em momento algum, o raio da mulher esteve presente!

Só para desmistificar a coisa: não tenho nenhuma tia Augusta. Ou talvez tenha, já que parece que a minha família cresce como uma erva daninha. A frase serve apenas para demonstrar o que já ouvi inúmeras vezes sobre tias/os, primas/os, e tudo o que mais valha.

A MINHA família não se define por laços de sangue ou por genes similares - ainda que por vezes estes factores coincidam. 

Para conhecer a minha verdadeira família não podem recorrer a laboratórios frios e testes complexos. Para conhecer a minha verdadeira família não podem recorrer a registos genealógicos empoeirados ou apelidos transmitidos de geração em geração.

Para conhecer a minha verdadeira família precisam de um almoço barulhento e variado, em que cada um traz um prato diferente formando uma mesa farta, completamente descoordenada e uma combinação estranhamente agradável que acaba por agradar a todos.

Para conhecer a minha verdadeira família precisam de ouvir as histórias, de ver os sorrisos, de ouvir as gargalhadas, de sentir os abraços e testemunhar a troca de olhares cúmplices. 

Para conhecer a minha verdadeira família precisam de entender uma arte falada por muitos e conhecida por poucos. Aquela que faz meio mundo questionar-se e debater-se e dá aos poucos sortudos que a entendem uma paz de espírito indescritível: o Amor.



Comentários

  1. Acontece-me o mesmo quando tenho de cumprimentar alguém que aparentemente é da família e eu não faço a mínima ideia de quem seja xD

    ResponderEliminar
  2. Concordo absolutamente contigo, isso é o mais importante :) Eu sei o nome de todos os meus tios-avós e respectivos filhos (primos em primeiro grau dos meus pais), mas se começares a ir aos filhos deles (principalmente do lado da minha mãe), já começa a falhar... A minha mãe quer à força que eu sinta o mesmo amor que ela sente por eles, mas esquece-se que ela teve o que é necessário para isso: convivência.

    ResponderEliminar
  3. Eu aposto que se pesquisares, ainda encontras uma tia Augusta!
    https://sunflowers-in-the-wind.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  4. Que lindo!
    E concordo com vc.. Tenho muitos parentes (uns que eu nunca vi ou conversei) e acho absurdo quando minha mãe chega falando deles hauihaiuhiuhaiuhauihaiuhauih

    ResponderEliminar

Publicar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Relacionamentos: É Amor ou Comodismo?

"O amor é a base de qualquer relacionamento."
Existem algumas certezas que sempre me acompanharam durante o meu crescimento. 
Uma delas, talvez uma daquelas em que acreditava com mais tenacidade, era que todos os relacionamentos se baseavam em amor.
Depois cresci, não muito confesso. Continuo a manter uma certa ingenuidade e a guardar com carinho muitos dos meus sonhos de menina mas, inevitavelmente, a vida acontece, e o mundo que inicialmente era a preto e branco, começa a ganhar diversos tons de cinza.
E, com muita tristeza minha, apercebi-me que a grande parte dos relacionamentos não tem por base o amor mas sim o comodismo. Quando ficamos por hábito, por não querer admitir que não resultou, por medo do desconhecido ou, simplesmente, porque não temos coragem de abrir o nosso coração ao desconhecido e tentar outra vez.
Existem avisos, sempre, mesmo quando queremos negar ou preferimos não encarar a dura verdade. Quando os gestos de carinho são inexistentes. Quando qualquer moment…

Mais de 1500.

Imagem de Deathtostock
Mais de 1500 publicações, 1507 se quisermos levar a precisão ao extremo. Mais de 1500 opiniões, parvoíces, textos, frases, imagens e idiotices.
Não posso dizer que estou surpreendida pelo número de publicações visto que, quando criei este blogue fi-lo com o objetivo de criar algo duradouro, algo que me acompanhasse, crescesse e evoluísse comigo. O que me surpreende são vocês. Vocês, que começaram a ler e gostaram. Vocês, que despendem de um pouco do vosso dia para apoiar, criticar ou dar a vossa opinião. Vocês, que continuam a voltar dia após dia mesmo quando as actualizações são raras. A todos vocês muito obrigado.

Decisões de Menina Crescida.

Tenho a oportunidade de me envolver numa empresa que me irá dar alguma estabilidade e, a longo prazo, uma carreira profissional sólida. No entanto é necessário realizar um investimento inicial que, neste caso, iria envolver todas as minhas economias. 
A verdade é que tenho algum receio. O que para a maioria das pessoas envolvidas no negócio pode ser um valor insignificante, para mim abrange praticamente a totalidade do capital que tenho disponível e não consigo deixar de me sentir insegura e algo ansiosa. Detesto a sensação de ficar financeiramente desprotegida, ainda que por pouco tempo.
Tenho que tomar uma decisão até dia 25 e espero decidir pelo melhor mas, muito honestamente, não faço a menor ideia do que devo fazer.