Relacionamentos: É Amor ou Comodismo?


Amor

"O amor é a base de qualquer relacionamento."

Existem algumas certezas que sempre me acompanharam durante o meu crescimento. 

Uma delas, talvez uma daquelas em que acreditava com mais tenacidade, era que todos os relacionamentos se baseavam em amor.

Depois cresci, não muito confesso. Continuo a manter uma certa ingenuidade e a guardar com carinho muitos dos meus sonhos de menina mas, inevitavelmente, a vida acontece, e o mundo que inicialmente era a preto e branco, começa a ganhar diversos tons de cinza.

E, com muita tristeza minha, apercebi-me que a grande parte dos relacionamentos não tem por base o amor mas sim o comodismo. Quando ficamos por hábito, por não querer admitir que não resultou, por medo do desconhecido ou, simplesmente, porque não temos coragem de abrir o nosso coração ao desconhecido e tentar outra vez.

Existem avisos, sempre, mesmo quando queremos negar ou preferimos não encarar a dura verdade. Quando os gestos de carinho são inexistentes. Quando qualquer momento a dois é uma obrigação. Quando as palavras outrora amorosas se tornam em farpas venenosas. Quando o relacionamento é visto com um fardo e não como uma bênção. 

Quando isso acontece é altura de parar. Parar, pensar e tentar perceber: porquê é que eu estou aqui? Provavelmente, a resposta automática será: por amor. Mas será que é mesmo? Se amas, porque não dás um abraço ou um beijo sem motivo aparente? Se amas, porque não sorris quando vês o teu companheiro? Se amas, porque ignoras as datas que antes comemoravas? 

Se, por outro lado, a resposta está relacionada com filhos, medo ou falta de autonomia financeira, então lamento muito.

Nenhuma relação é perfeita. Como poderia ser se tem origem em dois seres imperfeitos? Mas cabe a ti perceber se é perfeita para ti e, principalmente, se o amor que outrora é algo pelo que vale a pena lutar.

Façam-me um favor: não aceitem menos do que aquilo que merecem e nunca fiquem numa relação para fazer a outra pessoa feliz porque, acreditem, apenas estão a adiar o inevitável e a desperdiçar duas vidas que, de outra forma, poderiam ser plenamente felizes e cheias de amor.

"Toda a vez que você aceita algo por comodismo ou conveniência, apaga uma luz nos seus olhos."
- Ana Macarini
Qual a vossa opinião? 
Conhecem mais relacionamentos baseados em amor ou em comodismo?



Comentários

  1. Infelizmente, isto é o pão nosso de cada dia. As pessoas habituam-se ao conforto de estar numa relação e, na maior parte dos casos, só se arriscam a sair da mesma se já houver outra garantida. Isto é tão triste...
    Achei interessante a parte em que escreveste "Se, por outro lado, a resposta está relacionada com filhos, medo ou falta de autonomia financeira, então lamento muito.". É um facto que isto acontece muitas vezes e eu compreendo... Mas, por exemplo, no caso dos filhos, falo por experiência própria quando digo que é muito mais saudável ser-se filho de pais separados que se sabem comportar do que os pais estarem juntos, mas já nem sequer se respeitarem. Conheço muitos assim, infelizmente.

    ResponderEliminar
  2. Terminei recentemente uma relação de quase 4 anos... por me ter apercebido que havia algo de errado. E quando te referes a ficarmos por hábito, por medo do desconhecido e até por falta de coragem em abrir de novo o nosso coração para tentar outra vez, com alguém que possa aparecer pelo caminho, acho que foram algumas das razões para não ter terminado esta relação antes. Porque o que me levou a esta decisão não foi nada do momento, eram coisas que me incomodavam e que me deixavam sempre na esperança de que fossem mudar. Mas nunca mudaram, e eu continuava à espera que isso acontecesse, por comodismo, talvez...

    ResponderEliminar
  3. Gostava de te dizer que conheço mais por amor, mas vejo tantos por comodismo que me arrepia a alma e - confesso - fico cheia de medo. Sobretudo, casais mais velhos. Casados, com filhos, que discutem a toda a hora, falam mal um do outro, dizem que ficam por causa dos filhos (quantas crianças são felizes com pais separados? é preciso é fazer tudo BEM FEITO com os filhos, pelo menos com eles). É uma tristeza. Pergunto-me "porque não se divorciam?" , "Se estão tão fartos e andam sempre a discutir, porque não se separam?". Comodismo. As pessoas habituam-se ao que têm e acham que nunca terão melhor. Arrelia-me que as pessoas aceitem coisas por mera habituação. É triste. Mas, eu, como romântica que sou, acredito que uma vida sem amor, não sabe a nada, por isso é que comecei a escrever Black Heart (não sei se te apercebeste, mas o meu blog não é sobre mim-mim, é sobre um romance, não fosse eu romântica).
    Continua. Adorei a reflexão sobre a música espanhola e agora sobre o amor versus comodismo.

    ResponderEliminar
  4. Acho que a certo ponto todas as relações acabam por ter um pouco de comodismo ao fim de algum tempo :/

    ResponderEliminar
  5. Eu dizia muito isso " não é amor é comodismo!". Por vezes as pessoas tem muito medo da mudança. Devemos sempre seguir o nosso coração. É que depois nem é bom para um nem para outro. Mas é como tudo na vida, à casos e casos. Beijinhos :)

    ResponderEliminar
  6. Bem verdade. Eu continuo a ser como tu e sinceramente, não consigo ter alguém ao meu lado se não sentir amor pela pessoa e espero que isso nunca mude!

    ResponderEliminar
  7. Se há coisa que aprendi ao longo dos meus vastos 23 anos é que também não existe amor de conto de fadas. Nenhum relacionamento é perfeito requer esforço constante... a partir do momento que te deixas de esforçar o amor vai morrendo. Agora as pessoas também não gostam de se esforçar... preferem receber a dar. À menos dificuldade abandonam o barco. Na mesma maneira só o amor não mantém uma relação. O amor é só um dos pilares...
    Mas percebo perfeitamente o que dizes do comodismo... Mas noto mais isso nas relações das pessoas mais velhas principalmente quando se vai com 15 ou 20 anos em cima. Ai sim o corte tem bastantes consequências e as pessoas vão adiando por comodismo e falta de coragem, medo, filhos... etc. enfim... Qualquer um dos "polos" está errado. Há que procurar o tão difícil equilíbrio. Tentar sempre, comunicar eficientemente mas saber que não devemos aceitar menos do que o que merecemos. Se não der, não nenhuma tentativa melhorar. Ai sim procurar ir cada um para seu lado e recomeçar a sua vida...

    ResponderEliminar
  8. Se não existir amor, dificilmente as relações avançam. Podem durar algum tempo, mais por conveniência do que por outra coisa, mas depois desmoronam e, geralmente, de uma forma nada saudável. É preciso combater isso, lutar todos os dias pela pessoa que temos ao nosso lado, porque esse comodismo leva-nos a dá-la como garantida. E é no exato momento em que fazemos isso que a perdemos.
    Concordo tanto contigo!

    ResponderEliminar
  9. Eu acredito que a AMIZADE deve ser a verdadeira base!

    ResponderEliminar
  10. "grande parte dos relacionamentos não tem por base o amor mas sim o comodismo" grande parte mesmo, e aqui está a resposta à tua pergunta :/ infelizmente, acho que a maior parte das pessoas já nem sequer acredita no amor!

    ResponderEliminar
  11. Concordo absolutamente com o teu post. Quantas e quantas pessoas não estão juntas porque dá muito trabalho terminar uma relação e enfrentar a realidade...
    Beijinho

    ResponderEliminar

Enviar um comentário