Avançar para o conteúdo principal

Grávida de Cinco Anos!

Nos Estados Unidos da América apenas quatro estados oferecem licenças de maternidade pagas aos trabalhadores. Nem todos têm a sorte de morar num desses estados e, assim como Lauren, 86% da população não usufrui de licença de maternidade. Para tentar colmatar essa falha, Lauren tem adiado o fim da sua gravidez para juntar os seus dias de férias e dar à luz ao fim de seis anos.

A verdade é que Lauren não está realmente grávida de cinco anos mas, a meu ver, a National Partnership for Women & Families tem aqui uma campanha inovadora, criativa e que promove a reflexão.

Os Estados Unidos da América são o único país "desenvolvido" que não oferece licenças de maternidade pagas aos seus cidadãos. As famílias merecem melhor, as mulheres merecem melhor e, sobretudo, as crianças merecem melhor. Que tal deixar de construir muros e passar a pagar licenças de maternidade? Fica a dica.

Comentários

  1. Achei essa campanha muito interessante, espero que tenha impacto nas decisões importantes dos países!

    ResponderEliminar
  2. Ai, confesso que fiquei com um bichinho por ler.
    Beijinho*

    ResponderEliminar
  3. Ás vezes não pensamos na sorte que temos em ter algumas coisa, enquanto alguns países tem tão pouco.

    ResponderEliminar
  4. Deixar de construir muros era, de facto, o melhor!

    r: É sempre difícil gerir as saudades

    ResponderEliminar
  5. A situação é tão absurda que merece uma história absurda. Genial!

    ResponderEliminar
  6. Wow que grande abre olhos

    ResponderEliminar
  7. Não sei como é possível um país desenvolvido ainda ter tanto para limar nas suas políticas. Enfim.
    Obrigada pelos teus comentários no meu blog :)
    Live, Love, Laugh

    ResponderEliminar

Publicar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Relacionamentos: É Amor ou Comodismo?

"O amor é a base de qualquer relacionamento."
Existem algumas certezas que sempre me acompanharam durante o meu crescimento. 
Uma delas, talvez uma daquelas em que acreditava com mais tenacidade, era que todos os relacionamentos se baseavam em amor.
Depois cresci, não muito confesso. Continuo a manter uma certa ingenuidade e a guardar com carinho muitos dos meus sonhos de menina mas, inevitavelmente, a vida acontece, e o mundo que inicialmente era a preto e branco, começa a ganhar diversos tons de cinza.
E, com muita tristeza minha, apercebi-me que a grande parte dos relacionamentos não tem por base o amor mas sim o comodismo. Quando ficamos por hábito, por não querer admitir que não resultou, por medo do desconhecido ou, simplesmente, porque não temos coragem de abrir o nosso coração ao desconhecido e tentar outra vez.
Existem avisos, sempre, mesmo quando queremos negar ou preferimos não encarar a dura verdade. Quando os gestos de carinho são inexistentes. Quando qualquer moment…

Mais de 1500.

Imagem de Deathtostock
Mais de 1500 publicações, 1507 se quisermos levar a precisão ao extremo. Mais de 1500 opiniões, parvoíces, textos, frases, imagens e idiotices.
Não posso dizer que estou surpreendida pelo número de publicações visto que, quando criei este blogue fi-lo com o objetivo de criar algo duradouro, algo que me acompanhasse, crescesse e evoluísse comigo. O que me surpreende são vocês. Vocês, que começaram a ler e gostaram. Vocês, que despendem de um pouco do vosso dia para apoiar, criticar ou dar a vossa opinião. Vocês, que continuam a voltar dia após dia mesmo quando as actualizações são raras. A todos vocês muito obrigado.

Decisões de Menina Crescida.

Tenho a oportunidade de me envolver numa empresa que me irá dar alguma estabilidade e, a longo prazo, uma carreira profissional sólida. No entanto é necessário realizar um investimento inicial que, neste caso, iria envolver todas as minhas economias. 
A verdade é que tenho algum receio. O que para a maioria das pessoas envolvidas no negócio pode ser um valor insignificante, para mim abrange praticamente a totalidade do capital que tenho disponível e não consigo deixar de me sentir insegura e algo ansiosa. Detesto a sensação de ficar financeiramente desprotegida, ainda que por pouco tempo.
Tenho que tomar uma decisão até dia 25 e espero decidir pelo melhor mas, muito honestamente, não faço a menor ideia do que devo fazer.